Clonagem de perfil e ‘sextorsão’ lideram onda de crimes na web

Gleid Moreira – Gazeta Digital

Clonagem de perfil ou de Whatsapp, criação de usuários falsos em redes sociais, golpes por sites de compras e vendas e ‘sextorsão’ são as modalidades de crimes virtuais ou informáticos mais praticados nos últimos tempos. Os crimes cibernéticos, como fraude, furto e estelionato, praticados com o uso de dispositivos eletrônicos já movimentam mais dinheiro na criminalidade do que os furtos e os roubos convencionais, segundo Ruy Guilherme Peral da Silva, delegado titular da Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Informáticos (DRCI), de Cuiabá.

 

No primeiro semestre deste ano, a DRCI instaurou 291 procedimentos, entre inquéritos policiais, Autos de Investigação Preliminar (AIP) e Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO) relacionados a crimes informáticos. O resultado foi de cinco prisões em flagrante delito, 14 representações policiais, 51 oitivas, 64 boletins de ocorrência e 59 procedimentos concluídos. Além de mais de R$ 500 mil recuperados.

 

Os relatos de pessoas que tiveram algum prejuízo ou transtorno com esses golpes são inúmeros. Ultimamente, aumentou a frequência nos grupos de conversa de alerta aos contatos para não enviarem dinheiro, caso alguém solicite em seu nome qualquer valor, sob qualquer justificativa. Muriel Mazzer Herrera, vendedor, conta que um sobrinho e dois amigos perderam em torno de R$ 8 mil juntos, após a clonagem do seu Whatsapp por meio de código de verificação, que foi acessado por sua esposa.

 

Ao tomar ciência do golpe, diz que passou por diversos transtornos até regularizar a situação, pois além do boletim de ocorrência, teve de entrar em contato com o gerenciamento do aplicativo de conversas, com a operadora do seu telefone, notificar os amigos por meio de rede social, além de regularizar a segurança de suas senhas.

 

Leandro Marcos Hoeckele, que trabalha com informática, faz um alerta relacionado a entregadores de alimentos, que usam do artifício da ‘escuridão’, no caso de uma entrega noturna, e acendem a lanterna no momento de passar o cartão para pagamento. Mas, além da lanterna, esse entregador pode ligar a câmera do celular e filmar o cartão, ficando em posse dos dados da vítima e até da senha, implicando na possibilidade de futuros e golpes.

 

Em relação a essa estratégia, o delegado Ruy alerta que a pessoa pode usar um pequeno adesivo, cobrindo a parte onde aparece o número de segurança do cartão, para evitar futuros transtornos ou crimes com os dados, pois em caso de compras pela internet, só é preciso os dados do cartão e o código de segurança.

 

Perfil 

 

Em casos de clonagens de perfil, em que o criminoso usa uma foto real da vítima com outro número de celular, como também nas clonagens de apps de conversa, geralmente os mais vulneráveis são os pais das vítimas ou pessoas mais próximas, que normalmente não têm conhecimento de segurança digital.

 

Mas os usuários de aparelhos eletrônicos podem usar de artifícios para evitar a vulnerabilidade, como a utilização da configuração de verificação em duas etapas no Whatsapp, privacidade de fotos de perfis com visibilidade somente para contatos, checagem da segurança dos sites de compras e vendas, cuidados com a exposição de cartões ao realizar pagamentos e jamais entregá -los a outras pessoas e, de preferência, usar os cartões por aproximação, além de nunca permitir que fotografem o mesmo, exemplifica o delegado.

 

Uma das situações mais complexas e que, além do prejuízo material implica em prejuízo emocional, é a sextorsão. Silva frisa que pode ser um ex-namorado, ex-namorada ou mesmo alguém que a pessoa se relacionou via internet. Nessa modalidade, o criminoso ameaça divulgar imagens íntimas da vítima para forçar a fazer algo, por vingança, humilhação ou para extorsão financeira.

 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
%d blogueiros gostam disto: